Ir para o conteúdo.Ir para a navegação

Navigation
  • 2010
  • Benassi reapresenta projeto de uso de água da chuva

Benassi reapresenta projeto de uso de água da chuva

Benassi reapresenta projeto de uso de água da chuva

Vereador Sérgio Benassi

O vereador Sérgio Benassi (PCdoB) não se deu por vencido. Dois dias depois de o plenário manter o veto do prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT), ele decidiu reapresentar o projeto que prevê o uso de água da chuva em atividades em que a água potável não seja essencial. O projeto prevê a criação de um sistema pelo qual empresas e residências construiriam cisternas para aproveitamento de água pluvial, que seria usada para para limpeza de calçadas, irrigação de jardins, limpeza de condomínios, clubes, entidades, para uso de vasos sanitários ou lavagem de peças, por exemplo.

A Câmara aprovou o projeto, mas o Executivo vetou. Na última quarta-feira (09/06), a Câmara manteve o veto, mas Benassi acha que existe espaço para que o plenário reforme a decisão.

De acordo com ele, a votação foi apertada. Em levantamento prévio feito pelo próprio vereador, a derrubada do veto contava com os 17 votos regimentalmente necessários, mas três vereadores mudaram sua posição na última hora, segundo ele. Por conta disso, o resultado foi de 14 a 11 para a derrubada do veto. “Benassi ganhou no voto, mas não conseguiu a vitória”, disse a assessoria do vereador.

No veto, o Executivo alegou que a Sanasa apontou “uma série implicações de ordem técnica” no projeto. Segundo o órgão, “não existe norma técnica da ABNT para orientar a execução, operação e manutenção” de sistemas para captação e utilização da água da chuva. O vereador sustenta que sim. Ele contou num debate público sobre o assunto realizado na Câmara na semana passada, que a ABNT tem, sim, uma norma a respeito.

De acordo com o vereador, a idéia de estabelecer critérios mais racionais para o uso de água em Campinas é muito importante. “A sociedade já pratica métodos de utilização de uso da água. A legislação está atrasada em relação à vida”, afirma.

Ainda não há prazo definido para que o projeto volte a ser apreciado em votação pelo plenário da Câmara.


Texto: Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal.

Foto: A.C. Oliveira/ CMC

Publicada em 11/06/2010 16h22