Ir para o conteúdo.Ir para a navegação

Navigation
  • 2010
  • Mantido veto a projeto de energia solar em casa popular

Mantido veto a projeto de energia solar em casa popular

Mantido veto a projeto de energia solar em casa popular

Ver. Luiz Henrique Cirilo (no centro)

O plenário da Câmara Municipal de Campinas manteve na noite desta segunda-feira (29/11), o veto total ao projeto do vereador Luiz Henrique Cirilo (PPS), que obrigava o Executivo a implantar sistema de aquecimento de água por energia solar em toda construção de casa popular, seja ela realizada pela administração direta ou indireta. O sistema previsto no projeto era formado por um conjunto de coletores solares, reservatórios térmicos, aquecimento auxiliar, acessórios e interligações hidráulicas.

No veto, o Executivo levou em conta parecer da Secretaria de Habitação, segundo a qual a instalação do equipamento não vai dispensar a colocação do sistema tradicional e, por conta disso, os custos da construção serão muito maiores. O Executivo disse ainda que o projeto não indica as fontes de recursos necessários para a execução e, por fim, alega que se trata de ingerência indevida do Legislativo em atribuições do Executivo.

Durante a discussão, o autor da proposta criticou a posição da Prefeitura. Segundo o vereador, o Legislativo pode legislar sobre ações em prol do Meio Ambiente. E disse que o sistema pode sim encarecer o valor das casas, mas seria um aumento irrisório. “Seria um aumento de 4%, que não faria tanta diferença perto do benefício que a medida poderia gerar”.

De acordo com a avaliação de Cirilo, a energia solar é fonte de energia limpa, que contribui para a redução das emissões de gases de efeito estufa. Além disso, a medida alinha-se com o Plano Nacional sobre mudança do clima e atende as metas de eficiência energética do Plano Nacional de Energia. O vereador argumenta ainda que, com bases em estudos técnicos, ficou comprovado que a economia na conta de luz pode ficar até 40% mais barata com o sistema de energia solar.

“Além de gerar menor impacto ambiental, o sistema vai provocar menor degradação de recursos naturais, aspectos essenciais para melhor qualidade de vida e do crescimento sustentável do município”, afirmou o vereador na justificativa.



Texto e foto: Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal

Publicada em 29/11/2010 22h11