Ir para o conteúdo.Ir para a navegação

Navigation
  • 2010
  • Câmara realiza debate público com o Condepacc

Câmara realiza debate público com o Condepacc

Câmara realiza debate público com o Condepacc

Arly (à direita) e convidados

A Câmara realizou debate público na manhã desta segunda-feira (07) para discutir a atuação do Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Campinas (Condepacc), e o projeto de revitalização do centro da cidade. O órgão anunciou que vai liberar para a construção civil aproximadamente sete mil imóveis situados em áreas de envoltório de edifícios tombados no Centro até o final de 2010. A mudança foi sinalizada na semana passada com a liberação de sete quarteirões no envoltório da Capela da Boa Morte, no Cambuí.

As mudanças já começaram a ser publicadas uma a uma no Diário Oficial do Município (DOM) na última quinta-feira (03) e a decisão do Conselho ocorreu depois de um intenso debate nos últimos anos sobre a diferença entre tombar e preservar os imóveis, com o objetivo de não engessar o desenvolvimento da cidade, mantendo suas referências históricas e artísticas. “Essa mudança se deu, quando iniciamos um trabalho de inventário do Centro. Nele, levantamos os imóveis que eram tombados e os imóveis que estavam nessas áreas envoltórias. Os números eram assustadores: 7.500, só no Centro”, lembra Daisy Ribeiro, coordenadora do Condepacc. “Com esse levantamento feito em dois anos, pudemos concluir que Campinas não é uma cidade histórica. Ela tem apenas uma discussão histórica. Com um número desse, fecharíamos o Centro, provocando um desgaste na lei”, completa.

A coordenadora explicou ainda que aproximadamente 600 imóveis serão preservados pelo Conselho, lembrando as etapas históricas da cidade, e que existem mais de 50 estudos de tombamento que serão analisados até o segundo semestre de 2011.

Demolição - Uma dessas ações do Condepacc, é a redução da área envoltória de um conjunto de imóveis no entorno da Santa Casa, região do Casarão onde funcionava o Colégio Integral, e que irá permitir a construção de edifícios onde até agora só poderiam existir casas térreas. A demolição da antiga construção aconteceu no último sábado(05).

O debate desta segunda-feira, organizado pelo vereador Arly de Lara Romêo (PSB), reuniu representantes do Condepacc, Academia Campinense de Letras, Departamento do Patrimônio Histórico de São Paulo, cientistas políticos e professores de Urbanismo da PUCC. “Eu acho que esse debate foi fantástico, e pretendemos realizar outro em breve. Mas é preciso lembrar que Campinas enfrenta uma crise nessa área. Precisamos discutir a atuação do Condepacc, pois a conservação do patrimônio histórico em Campinas está crítica.”, afirma Arly. “Hoje, a população desconhece a atuação do Conselho e precisamos de uma política púbica e temos necessidade de debater esse assunto", defendeu.

Boa parte dos imóveis que serão liberados se localiza em áreas do complexo ferroviário da cidade, mas também ocorrem em todo o centro expandido de Campinas.


Texto: Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Campinas

Foto: A.C. Oliveira/CMC

Publicada em 8/06/2010 11h01