Ir para o conteúdo.Ir para a navegação

Navigation
  • 2010
  • Dra Zilda Arns era cidadã campineira desde 2002

Dra Zilda Arns era cidadã campineira desde 2002

Dra Zilda Arns era cidadã campineira desde 2002

Zilda Arns: cidadã campineira

A médica sanitarista Zilda Arns, que está entre os brasileiros mortos no terremoto que atingiu o Haiti nesta terça-feira (12/01) era cidadã campineira desde abril de 2002. O título foi entregue a ela por indicação do vereador Antônio Flôres “pelos relevantes serviços prestados à Campinas”. Nascida em Forquilinha, Santa Catarinha, Zilda teve a vida marcada por um extenso e relevante trabalho social.

Formada em medicina, especializou-se em saúde pública e dirigiu seus esforços no sentido de salvar crianças pobres da mortalidade infantil, desnutrição e violência. Compreendendo que a educação revelou-se a melhor forma de combater a maior parte das doenças de fácil prevenção e a marginalidade das crianças, para otimizar a sua ação, desenvolveu uma metodologia própria de multiplicação do conhecimento e da solidariedade entre as famílias mais pobres.

A sua prática diária como médica pediátrica do Hospital de Criança César Pernetta, em Curitiba e, mais tarde, como diretora de Saúde Materno-Infantil da Secretaria de Saúde do Paraná.

Em 2006, a Dra. Zilda foi indicada ao Premio Nobel da Paz, junto com outras 999 mulheres de todo o mundo selecionadas pelo Projeto 1000 Mulheres, da associação suíça 1000 Mulheres para o Prêmio Nobel da Paz. Também é cidadã honorária de dez estados brasileiros (RJ, PB, AL, MT, RN, PR, PA, MS, ES e TO) e de trinta e dois municípios e doutora Honoris Causa em diversas universidades.

A médica viajou neste final de semana para encontro missionário em uma entidade chamada CIFOR.US e estava hospedada na sede episcopal. De acordo a assessoria de Zilda Arns, a coordenadora estava no Haiti para levar a metodologia de atendimento da Pastoral da Criança no combate à desnutrição. Ela estava em Porto Príncipe desde domingo (10) e voltaria para o Brasil nesta sexta-feira (15).

O presidente Lula lamentou e, de acordo com sua assessoria, disse ter ficado “chocado a morte” dela. O governador de São Paulo, José Serra disse que ninguém fez mais pelas crianças que a Dra Zilda. A médica tinha cinco filhos e dez netos.



Publicada em 13/01/2010 17h14