Ir para o conteúdo.Ir para a navegação

Navigation
  • 2010
  • Pedofilia: especialistas defendem núcleo para atendimento a vítimas

Pedofilia: especialistas defendem núcleo para atendimento a vítimas

Pedofilia: especialistas defendem núcleo para atendimento a vítimas

Pae Kim (esq.), Zé do Gelo e Maria de Fátima

O juiz da Vara da Infância e Juventude Campinas, Richard Pae Kim e a psicóloga forense, Maria de Fátima Franco dos Santos, defenderam nesta quarta-feira (19/05) na Câmara Municipal, a criação na cidade de um núcleo de atendimento integrado a crianças e adolescentes vítimas de pedofilia. De acordo com Pae Kim, os crimes de pedofilia tem crescido no País e é preciso uma política pública de enfrentamento.

Maria de Fátima apresentou estudos que indicam que em 1993, 13% das vítimas de crimes sexuais no Brasil eram crianças e adolescentes. Esse índice, diz ela, está hoje em 20% . A psicóloga lembrou que o maior perigo está em casa. “A maioria das agressões são contra meninas e 87% dos agressores são pais ou padrastos”, disse.

Segundo Pae Kim, na Bahia há um modelo que parece estar próximo do ideal, que funciona nas mesmas instalações de uma delegacia, mas conta com profissionais capacitados a fazer o atendimento específico para este tipo de crime. “Precisamos do núcleo e que funcione 24 horas do dia”, afirmou.

Richard Pae Kim disse que é preciso criar mecanismos sistematizados no Judiciário, Ministério Público e em órgãos oficiais, para que sejam aprimoradas as formas de identificação de abusos e as maneiras mais adequadas de punição dos agressores.

Para Maria de Fátima, o núcleo poderia funcionar até mesmo nas unidades básicas de saúde. “Poderíamos ter uma equipe de funcionários capacitada para este tipo de atendimento. E tenho a impressão que a formação dessa equipe não vai custar tanto, assim para o governo”, disse.

Segundo a psicóloga forense, a identificação precisa do crime é importante porque, em muitos casos, as vitimas são crianças ainda muito pequenas, que não conseguem nem mesmo reconhecer a agressão. Ele diz que tem estudos com 300 agressores e apenas quatro deles assumiram o crime. “Fica muito difícil condenar, quando não há provas concretas do crime. Assim, fica apenas a palavra do agressor, contra a da criança”.

“Esse é um problema que pode atingir todas as famílias e temos de ficar alertas. Para isso, precisamos criar canais para identificar o problema e punir os responsáveis”, afirmou o vereador Zé do Gelo (PV), que teve a iniciativa de reservar a primeira parte da reunião desta quarta-feira para discutir o problema.

“Nós ficamos muito felizes com o fato de o Dr. Pae Kim defender a criação desse núcleo, já que a nossa luta é pela instalação na cidade de uma delegacia especial para atender a este tipo de crime”, disse o vereador Élcio Batista.

Já há quase um ano, os vereadores Zé do Gelo (PV) e Élcio Batista iniciaram uma campanha pela instalação na cidade de uma Delegacia Especializada em crimes sexuais contra a criança e o adolescente. A expectativa é reunir o apoio de pelo menos 100 mil pessoas. O abaixo-assinado deverá ser encaminhado ao Governo do Estado com o pedido formal para a instalação da delegacia.


Texto: Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal

Foto: A.C. Oliveira/CMC

Publicada em 19/05/2010 18h38