Ir para o conteúdo.Ir para a navegação

Navigation
  • 2010
  • Repressão não reduzirá uso de drogas entre jovens, alertam especialistas

Repressão não reduzirá uso de drogas entre jovens, alertam especialistas

Em reunião na manhã desta sexta-feira (11/06) na Câmara Municipal o Fórum de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente defendeu a criação de políticas públicas para enfrentar o uso de drogas entre os jovens. O juiz da 1ª Vara do Juri de Campinas, José Henrique Rodrigues Torres, reconheceu no Fórum não ter uma solução imediata para o problema, mas disse ter a certeza que não será através da criminalização, repressão ou intolerância que o problema será resolvido.

“O que não deve ser feito é a criminalização, a perseguição, punição. Isso, jamais. A questão das drogas deve ser enfrentada no âmbito das políticas públicas, especialmente no âmbito da saúde”, afirmou o juiz. “O enfrentamento do problema tem de se dar no limite da implementação de políticas de redução de danos, de assistência, de educação. Um modelo que não faça estigmatização das pessoas, não acarrete exclusão, não acarrete o afastamento”, acrescentou. Torres acredita que não existe outro caminho. “Esse é o único caminho que nós temos: acolher e não afastar. É permitir que as pessoas vivam, sem interferir nessas opções, para que elas possam ser livres, inclusive para optar em não usar drogas”, finalizou o juiz.

A psicóloga Iara Aidar – que também participou do Fórum - concordou com a opinião do juiz e fez um alerta. “É importante que se ouça o jovem para entender a maneira como ele pensa, o que ele valoriza e qual é a necessidade dele, porque se você não compreende o que é importante para ele, aquilo que é oferecido acaba sendo rechaçado, ele não aceita, porque ele está constituindo a própria opinião”, avisa.

“Nós entendemos que essa discussão é fundamental, devido a complexidade, a dificuldade deste problema social que nós temos. Hoje falta uma política pública séria, comprometida, eficaz e democrática, para tentarmos buscar a solução ou a diminuição, pelo menos, do problema”, disse o coordenador do Fórum, Jaime Oliveira Santos.

fórumTambém estiveram presentes representantes de diversas instituições públicas e programas do município voltados para o atendimento de crianças e adolescentes como Conselhos Tutelares e a Fundação Casa. Eles criticaram a faltam de investimentos no segmentos da saúde e educação e uma participação mais ativa dos diversos setores da sociedade para debater o assunto.

A discussão do Fórum vai dar origem a um relatório que será entregue a autoridades como os Poderes Executivo e Legislativo, com o objetivo de provocar o debate sobre políticas públicas.


Texto: Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Campinas

Foto: A.C. Oliveira/ CMC

Publicada em 11/06/2010 15h53