Ir para o conteúdo.Ir para a navegação

Navigation
  • 2010
  • Sancionada Lei que proíbe uso de celular em bancos

Sancionada Lei que proíbe uso de celular em bancos

Executivo vetou dois ítens do Projeto de Lei
Sancionada Lei que proíbe uso de celular em bancos

Ver. Luis Yabiku (PDT)

O prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT) sancionou parcialmente o projeto, de autoria do vereador Luis Yabiku (PDT), que proíbe o uso de celulares dentro das agências bancárias.

O governo vetou o parágrafo segundo da matéria, que prevê o pedido de apoio policial para aqueles que não se adequarem à lei. Na justificativa do veto parcial, o Executivo alega que a segurança com o objetivo de minimizar a ocorrência de crimes que ocorrem nas saídas das agências bancárias, conhecidos popularmente como “saidinhas de banco”, são de competência da segurança pública, que compete à união e aos estados.

Se sancionada, a proposta acarretaria na intervenção do Poder Legislativo Municipal, desrespeitando a organização político-administrativa da República Federativa do Brasil.

Outro ponto vetado foi o que prevê a afixação de cartazes alertando os clientes sobre a proibição do uso do aparelho de telefonia móvel. Nele teria a inscrição “É proibido a utilização de telefone celular ou equipamento similar no interior deste estabelecimento, ficando o infrator sujeito a ocorrência policial”.

O executivo diz que esta é uma forma de coerção ao cliente e que não cabe a instituição bancária fazer esse papel.

A 'saidinha de banco' é um crime onde o, para fazer o assalto, o bandido observa a movimentação de dentro do banco e, por celular, informa um comparsa que está na rua sobre as características das pessoas que saem da agência com dinheiro.


Na saída ou nas imediações do banco, a vítima é identificada e atacada. De acordo com o Yabiku os bancos possuem sistemas de segurança como câmeras e guardas particulares, mas nem isso conseguiu inibir os assaltos.


O vereador diz que o projeto surge como uma necessidade para discutir o assunto e se encontrar uma alternativa. “É a forma que eu encontrei de trazer esse assunto a discussão. Eu acho que os departamentos policiais e a população têm que chegar a esse debate e cabe a nós (vereadores) trazer essa questão para a Câmara Municipal, e ajudar a encontrar uma alternativa para o problema”, defende.


Yabiku também alerta que esse tipo de crime tende a aumentar no período em que se aproximam as festas de final de ano, e que é importante a população ficar atenta. O vereador é autor de outros projeto relacionados ao funcionamento dos bancos como o que determina o tempo de espera nas filas das agências e a instalação de guarda-volumes.


Texto e foto: Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Campinas


Publicada em 20/12/2010 16h53