Ir para o conteúdo.Ir para a navegação

Navigation
  • Junho
  • Em reunião na Comissão de Direitos Humanos da Câmara, entidades atestam que cidade não está adaptada para deficientes visuais

Em reunião na Comissão de Direitos Humanos da Câmara, entidades atestam que cidade não está adaptada para deficientes visuais

13/062018

Campinas não está adaptada para pessoa com deficiência visual. Essa é a conclusão da reunião da Comissão Permanente de Direitos Humanos e Cidadania da Câmara Municipal de Campinas realizada nesta quarta-feira (13), após ouvir representantes de entidades que atuam na assistência às pessoas com deficiência visual.

Segundo o vereador Carlão do PT, presidente da Comissão, a reunião foi motivada por várias reclamações que chegaram ao gabinete dele. “Convocamos esse debate, pois muitas pessoas com deficiência visual nos procuraram para falar das dificuldades de mobilidade que enfrentam na cidade de Campinas”, conta.

Um dos exemplos que o vereador citou é a falta de sinais sonoros nos semáforos da cidade. Requerimento de sua autoria questionou a Emdec sobre os locais onde esses sinais sonoros estariam instalados. A resposta aponta apenas três semáforos com esse recurso.

Transporte Público – Outra dificuldade das pessoas com deficiência visual é que elas não têm direito ao transporte especial, como as pessoas com deficiência física. Além disso, os pontos de ônibus não estão adaptados, a falta de cobradores dificulta o acesso aos coletivos e os motoristas não estão preparados para atender esse público.

Uma das sugestões feitas pela representante da Sociedade Campineira Atendimento ao Deficiente Visual (Pró-Visão), Maria Cristina Von Zuben, é de que os motoristas passem por uma vivência com os olhos vendados para sentir a dificuldade que uma pessoa com deficiência visual enfrenta no dia-a-dia.

Francisco Glicério – A reforma da Avenida Francisco Glicério acabou por retirar os sinais sonoros que haviam nos semáforos. Além disso, as sinalizações de piso não estão adequadas.

Para verificar todos os problemas de mobilidade nessa avenida, as entidades que participaram da reunião, mais a Comissão de Direitos Humanos farão uma vistoria que resultará em uma solicitação à prefeitura para que corrija os erros.

Participaram da mesa de debate  Mário Cesar Silva, Presidente do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência; Luiz Antonio Rodrigues, representante da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Cidadania; Vicente de Paula Monteiro, representante do Instituto Campineiro dos Cegos Trabalhadores; e Maria Cristina Von Zuben de Arruda Camargo, representante Sociedade Campineira Atendimento ao Deficiente Visual (Pró-Visão), além do próprio vereador Carlão do PT.

Texto: Gabinete do vereador Carlão do PT
Foto: Central de Comunicação Institucional da CMC

Publicada em 13/06/2018 20h00